quinta-feira, outubro 01, 2009

Me sentindo autoritário em um dia de chuva

Criei algumas regras simples.


1. Guarda-chuvas.

Durante precipitações pluviométricas, você vai sair com dois guarda-chuvas. O guarda-chuva de verdade, que você vai carregar em tal específico estado de umidade relativa do ar, e o guarda-chuva de emergência, que simplesmente já estará na sua mochila. Explico.

a) Guarda-chuva de verdade
Um guarda-chuva verdadeiro fechado costuma ser do tamanho de uma bengala e é extremamente inconveniente de se carregar. Aberto, tem um diâmetro que extrapola em muito os limites de sua aura Kirlian, e proporciona a possibilidade de você coçar a cabeça sem molhar o cotovelo em estados verticais de precipitação. Ele costuma ser firme, resistente e às vezes pode abrigar mais de uma pessoa.

b) Guarda-chuva de emergência
O guarda-chuva de emergência é um aparelho de forte carga psicológica e alguma função prática. Ele é pequeno o bastante para ser colocado dentro da mochila e ser esquecido até preponderar a inconsistência humana ou a irregularidade meteorológica. Praticamente uma introspecção, ele mantém apenas menos úmidas algumas partes de seu corpo, particularmente aquelas associadas ao orgulho: a partir do peito para cima. Sua composição vagabunda o faz uma ameaça natural, já que sua fraca resistência o relega com pouco uso a um aterro sanitário.

2. Uso do guarda-chuva.

A otimização da cobertura circular de um guarda-chuva ocorre quando o(s) usuário(s) se posiciona(m) o mais ao centro possível. Você pode ficar tentado a manter o caminho à sua frente e a ponta do seu calçado secos, mas existe o grande revés de a realidade não se limitar a seu leque de visão. Sim, suas costas e mochila existem e desempenham, quando secas, um papel relevante no seu organismo e em suas atividades.

3. Vendedores de guarda-chuva.

Apesar dessas significações fenomenológicas surgirem de geração espontânea (o contato do primeiro pingo de chuva com a calçada provoca uma reação imediata conhecida como vendedor de guarda-chuva), elas continuam sujeitas ao positivismo ortodoxo da Lei de Murphy. Você não terá dinheiro, eles não estarão no mesmo lugar que você. Eles servem, pois, apenas para garantir o suprimento dos guarda-chuvas mencionados na Regra 1. Ou seja, você vai comprar um novo guarda-chuva quando você tiver só um guarda-chuva.

4. Impermeabilidade.

a) Tênis
Coma uma refeição a menos para economizar o bastante para um tênis impermeável ou semi-impermeável. Vale a pena.

b) Mochila
Coma uma refeição a menos para economizar o bastante para uma mochila impermeável. Vale a pena.

c) Sacos plásticos
Reserve alguns para cobrir materiais que não podem ser molhados. Eles não são elegantes, eles são úteis.

d) Capas plásticas
São ridículas, mas pequenas e úteis.

5. Conforto.

Se conforme: você vai se molhar. O Cascão é uma ilusão. Mas existem coisas que podem assegurar um maior conforto:

a) Uma muda de roupa adicional
É isso mesmo.

b) Um par de meias adicional
Agora você está prestando atenção. Achei melhor separar para enfatizar sua importância.

Um comentário:

Secoelho disse...

Eu poderia ser mais uma leitora fantasma, mas... Vale ressaltar que você entende tanto de guarda-chuvas quanto eu de ônibus, na minha antiga dedicação à busologia.